Ceará celebra pela primeira vez o Dia de Combate às Fake News

24 de Março de 2021

A data foi escolhida por ser internacionalmente reconhecida como o Dia do Direito à Verdade, que já faz parte do calendário nacional de datas comemorativas.

Deputada estadual Érika Amorim

Incluído no Calendário Oficial de Eventos do Estado do Ceará a partir de um Projeto de Lei da deputada Érika Amorim (PSD), o Dia Estadual da Conscientização e de Combate às Fake News será celebrado pela primeira vez no estado nesta quarta-feira, dia 24. O objetivo é coibir a disseminação de notícias falsas no âmbito do Estado do Ceará.

A data foi escolhida por ser internacionalmente reconhecida como o Dia do Direito à Verdade, que já faz parte do calendário nacional de datas comemorativas (Lei 13.605/2018). “Queremos coibir a prática da disseminação das fake news, notícias falsas produzidas e reproduzidas de forma irresponsável para prejudicar ou beneficiar alguém ou simplesmente para promover uma postagem com likes ou visualizações de páginas eletrônicas”, pontuou Érika Amorim, terceira secretária da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará.

Para a deputada, diante da pandemia da Covid-19, “o compartilhamento de informações equivocadas e sem comprovação científica somente atrapalha o trabalho de prevenção e combate à doença”. E conclui: “a informação é a melhor arma de prevenção ao novo coronavírus”. 

“É importante que exista um engajamento em massa no combate às fake news, sensibilizando a população sobre como identificar e agir diante de uma notícia falsa e despertar a urgência de checar as informações antes de repassá-las. A educação da população é sempre a melhor e mais barata solução a ser adotada”, conclui a parlamentar. 


Como identificar uma fake news:

  1. Desconfie da notícia absurda;

  2. A notícia falsa costuma pedir pra ser compartilhada e é muito comum usar um tom alarmista;

  3. Geralmente contém erros de português;

  4. Muitas notícias falsas apelam para teorias da conspiração para gerar revolta; 

  5. Usam dados aleatórios para dar veracidade à história; 

  6. Vêm de sites poucos conhecidos.